Mãe solteira e namoro

Eu sou uma vadia louca?

2020.10.21 15:35 CigarraMarron Eu sou uma vadia louca?

Bem, pra começar eu nunca fui a pessoa que idealizava o amor romântico, sempre achei essa ideia falsa e as pessoas que diziam viver morrendo de amor fracas e irracionais. Eu me apaixonava toda semana pro uma pessoa diferente, me divertia muito, tinha momentos intensos em vários aspectos, pra mim isso era ótimo, vivia a ideia de "amor" tradicional, mas sem sofrer por isso, já que não me apegava a ninguém. Junto a isso, sempre fui uma pessoa muito ambiciosa e tenho expectativas enormes para meu futuro, e se apegar a qualquer pessoa seria um tiro no pé, pois ia acabar formando família (o que na minha cabeça restringe exponencialmente a capacidade de uma pessoa se movimentar em busca das suas ambições).
Há alguns anos um amigo de infância se declarou pra mim e decidi entrar num relacionamento sério. E embora não estivesse caída de amores por ele, resolvi tentar por que ele sempre foi uma pessoa maravilhosa. Como já era de se esperar, ele foi um companheiro maravilhoso, atencioso, cuidadoso, amoroso, não deixava a desejar no sexo, praticamente o parceiro ideal, mas não pra mim. Ele queria ter família (filhos, cachorro, galinha, cavalo, casa na roça), não tem ambições, é tranquilo e tradicional, não esquenta com nada no universo. Ele ser assim me irritava, pq eu não aceitava que alguém pudesse ser tão passivo, ainda assim fiquei quase 4 anos no relacionamento, pois toda vez que eu pensava em terminar, minha razão me acusava, dizendo que eu tava jogando fora um homem que a maioria das mulheres gostariam de ter. Então fui só empurrando, até que achei desculpas para justificar o fim do relacionamento, me convenci dessas desculpas e pulei fora, sem olhar pra trás (embora até hj fique me pergunte se não teria sido melhor me adaptar a aquele relacionamento).
Mudei de estado, a trabalho e isso me ajudou a superar o fim do relacionamento que seria ideal, mas não pra mim. Corri atrás das minhas ambições, carreira, viagens, amizades, network. Por dois anos fui solteira e me diverti muito, mesmo que as vezes batesse aquela carência e o vazio.
Nesse tempo acabei entrando numa empresa que não me dava perspectiva de crescimento rápido, como sempre acho que não tenho tempo a perder, fiz uma proposta que se ele não pudesse me promover nos próximos 12 meses eu pediria demissão pra fazer intercâmbio. 4 meses antes de embarcar pro intercambio conheci um rapaz legal na empresa e nos aproximamos e começamos a namorar, apesar de meu intercâmbio estar marcado (obvio que eu não desistiria disso por ele, e nem por ninguém). Optamos por continuar o namoro a distância, foram fucking 7 meses infernais. Mas nem eu e nem ele ficamos com outras pessoas, embora eu tivesse dado a ele permissões (e ele não houvesse me dado permissão nenhuma). Nesse meio termo minha mãe (que mora há 2,5h de avião do lugar que meu namorado mora) ficou doente e tive que voltar do intercâmbio e dar assistência a ela. Fiquei 2 semanas com meu namorado e fui embora de novo, passar um mês com minha mãe.
Durante esse um mês que fiquei fora o meu namorado se envolveu com outra pessoa, ele já estava muito confuso, por que eu jurava que amava ele, mas tava sempre abrindo mão dele por outras coisas. AO saber que ele se envolveu com outra pessoa eu surtei do fundo do meu coração (embora concorde com relacionamento aberto e tivesse anteriormente dado permissões a ele), comecei a julgá-lo e culpa-lo, embora minha razão dissesse: "ele tolerou coisas que nem vc toleraria e ele ainda quer ficar com vc e é sincero com vc".
Meu namorado está muito confuso, e não confia muito em mim. O que é muito compreensível pq eu dou bastante brecha tanto pra a confusão quanto pra desconfiança. Eu vivo como se fosse muito desapegada, embora eu tenha um sentimento por ele, nunca faço promessas de amores eternos e sempre digo que vamos durar até quando durarmos e isso deixa ele bem inseguro, ele acha que não quero futuro com ele. Por mais que eu sinta por ele, tudo que sinto, eu não consigo deixar claro o quanto ele vale pra mim, e na verdade eu nem sei se vale, ou se ele é só o espelho do que eu achava ideal (já que tem as mesmas ambições que eu).
No meio dessa confusão de ele ter ficado com outra pessoa, demos um tempo de 1 semana, que era o tempo que faltava pra eu retornar pra cidade dele. Falei que ele estava solteiro até eu voltar, ele se aproximou da moça com quem ele ficou e agora que cheguei tivemos uma conversa muito séria, ele disse que queria ser solteiro, pra viver aventuras, já que nunca foi solteiro desde os 18 anos, tive a impressão de que ele estava gostando dessa moça (mas em uma semana? Como pode ser? Carência?), ele disse que não quer terminar comigo pq me ama, mas que sente falta de algumas coisas em mim (como a presença física e emocional, e sexo, já que pra ele transar 4 vezes ao dia parece pouco), sugeriu que eu abrisse o relacionamento pra ele, pra ele suprir essas ausências minhas que confesso que são significantes pra ele e ele sempre deixou claro. Eu analisei bem e decidi que queria tentar isso, como uma forma de compensá-lo por ter tolerado as situações que trouxe pra nosso relacionamento que só tem um ano e cujo eu passei um total de 8 meses longe, sem vê-lo. Só que apesar de ser super de boa com a ideia de abrir relacionamento, poliamor e tudo mais, eu comecei a cobrar dele que ele não deveria me impor isso (sendo que ele sempre se mostrou bem aberto a negociações e sugestões e demonstrou o quanto se importava com meus sentimento em relação a isso). Minha cabeça aprovou isso, mas minhas emoções estão transformando isso num inferno pra mim e pra ele e tudo que faço e pressionar. E agora estou pensando em trai-lo, pq estou "muito magoada" e "quero que ele me pague por fazer eu passar por isso". Ele desde o inicio foi bem claro que não abre a relação, ele jamais aceitaria e tmb odeia mentira e traição, por isso tem me contado tudo que tem feito. Marquei alguns encontros aos quais comparecerei. Mas tenho achado injusto, justamente por ele ser tão transparente comigo.
Ai comecei a me questionar, será que gosto mesmo desse rapaz e só estou com ciumes e medo de perdê-lo depois de tudo que passamos e ainda estamos "juntos"?
Será que só tô apegada a ideia de futuro com ele (devido nossos objetivos similares)?
Será que só sou uma vadia louca brincando com o sentimento de alguém que nunca me deu espaço pra desconfiança?
Será que no fundo eu sou egoísta demais pra ficar com alguém e tenho que me acostumar com a ideia de viver só na vida, seguindo meu preceito de desapego (simplesmente pq não quero abrir mão de nada por alguém)?
Sejam sinceros, sem medo de me magoar, sei que a maioria aqui tem a mente bem aberta e poderá me criticar de forma racional.
submitted by CigarraMarron to desabafos [link] [comments]


2020.10.12 04:53 Enscie Mãe de amigo, queria pegar!

Apesar de ter muitos problemas e estar triste ainda me resta uma coisa louca! Eu gosto de mulher mais velha pra coisas casuais, na verdade assumiria até um namoro... tenho 24 com aparecia mais nova.
Eu tenho um amigo que tem uma mãe super gata, deve ter uns 40-45 no máximo, ela é linda! Eu achei ela muito bonita sabe! Até ficaria com ela, mas acho desrespeito com meu brodi! E sei lá, talvez fosse algo casual, ela e solteira pelo que sei. É uma mulher inteligente sabe, gostei de papear com ela, mas não sei se ela já deu ou dá mole ou algo assim pra um amigo do filho. Não tenho coragem de chegar e jogar ideia se ela não jogar! Acho que é uma coisa proibida e só fica no mundo das ideias.
Enfim só queria falar isso e tal, e tenho medo de ficar muito na casa dele e olhar de mais pra ela ou beber muito e soltar sem querer! É isso!
Tenho EP, então já me torna um homem rebaixado também que decepção pra ela, né! E pra mim vergonha por não poder penetrar muito! Aff
Abraços!
submitted by Enscie to sexualidade [link] [comments]


2020.10.10 07:42 Oi1235 Fiz coisas ruins e não me arrependo, arrependo de não ter feito pior

Quando eu namorava com meu ex, nos 3 primeiros meses, era um namoro decente. Um conhecido meu deu em cima de mim 2 vezes, e infelizmente recusei porque achava que meu ex era fiel naquele momento. Me arrependo bastante, porque se fosse hoje em dia iria transar com ele sim. Meu ex não pensaria 2x em me trair. Depois dessa fase, ele fez várias coisas sendo cuzão comigo: fingia que eu não existia, não queria me assumir nas redes sociais (e desconfio que a minha cor seja o motivo), falava que ia me trair quando eu fosse pra casa da minha mãe nas férias, e ficava com a voz irritada quando eu ligava pra ele. Aí fiquei atraída pelo meu amigo, a gente flertava e eu achava o máximo, já que meu ex me ignorava, e confessei a ele, que era com ele que eu queria ficar, só estava com meu ex porque eu tava viajando (moro em outro estado e fui pra casa da minha mãe) e queria terminar pessoalmente.
No final além de flertar com outros, eu já fazia sexting, recebia e mandava nudes. A gota d'agua por eu ter terminado antes é que quando eu falei pro meu ex que viria, ele me disse que estaria de férias na casa da mãe dele (que é em uma cidade perto da que a gente mora) e que só voltaria quando voltasse a trabalhar: fiquei de saco cheio e terminei por mensagem mesmo. Depois descobri no facebook que ele começou a namorar outra antes de eu terminar com ele, ele a assumiu (comigo falava que não gostava de se expor em redes sociais, e meus amigos me alertaram que esse papo é estranho), ela é branca (a mãe dele reclamou de eu ser parda nas minhas costas e acabei ouvindo).
Quase o traí pessoalmente, estava com o tinder pra baixar, só não o fiz porque eu não tinha prova de traição dele. Mas me arrependo sim, devia ter o traído. Muita gente trai e o outro não fica sabendo. Não só o caso dele, mas o caso do meu pai me faz crer que 95% dos homens brasileiros trai (e muitas nem desconfia e não acaba descobrindo), então não vou ficar em relacionamento só para ser fiel, e nem namorar com qualquer Zé Ruela pra não ficar sozinha (como no caso do meu ex). Tenho uma grande vantagem de conseguir transar sem desenvolver sentimentos. Mas se eu namorar de novo vou trair sim, porque sei que o cara vai fazer isso uma hora ou outra. Pra mim chifre trocado não dói e se ele me tratar bem não vejo motivo pra ficar solteira.
Resumo: traí meu ex virtualmente e não me arrependo, arrependo de não ter traído sexualmente e ele começou a namorar com outra antes de eu terminar com ele. A próxima vez que eu namorar vou trair sexualmente e não tenho remorso nenhum com isso.
submitted by Oi1235 to Confessionario [link] [comments]


2020.10.06 12:20 internalerrorfixed Me relataram ser vítima de um estupro e não sei o que fazer

Trabalho em uma farmaçia e parte do meu trabalho consiste em atender fornecedores pelo telefone. Há 27 dias eu atendi uma ligação, sempre bem educado, e a vendedora depois falar o "script" dela, perguntou minha data de nascimento e acabou pedindo meu contato pessoal. Resolvi passar porque não tinha motivos para não fazer. Talvez era alguém querendo algum tipo de ajuda, dúvida, e que ali na hora não queria perguntar ou estava com vergonha. Mas achei muito estranho perguntarem a data de nascimento, nenhum vendedor nunca fez isso.
Quando cheguei em casa lá estava um áudio com uma voz muito mais linda do que eu lembrava no telefone, comecei a conversar só pra saber o que a pessoa queria. Não tinha foto no perfil, sou feio e tenho vergonha de mim mesmo, mas ela queria saber como eu era. Sempre desconfiado, porque não me perguntava nada, não falava do trabalho, só parecia querer conversar mesmo. E eu conversava, escutava, enviei uma foto. Ela sempre mandava foto, vídeo indo caminhar, dirigindo, voltando da igreja, tudo numa boa. Uma pessoa linda, até demais, pra estar interessada em mim.
Continuo desconfiado, vou atrás de redes sociais, vejo que está participando até de concurso de beleza, crio expectativas mesmo sabendo que não tenho nada a oferecer. Lá vi que faltava poucos dias para o aniversário dela, no dia do aniversário dela espero dar meia noite, mando um vídeo todo envergonhado parabenizando ela, tenho problemas de autoestima então fica tudo bem cringe.
Ai ela começa dizer que queria me conhecer pessoalmente, me liga perguntando se pode vim na minha cidade (moramos há 160km de distância mais ou menos), mas estava tudo acontecendo muito rápido, peço pra ter calma, pra irmos nos conhecendo melhor, até porque até esse ponto as conversar eram bem casuais, eu pouco sabia sobre ela.
Ela saiu com a mãe dela pra comemorar, me manda foto e vídeo com a mãe dela, mas depois relata que achou que seriam só elas duas, mas que a mãe chegou com um rapaz e que ela não gostou dele, diz que "ele tá me testando", pergunto que tipo de teste e ela não responde.
Depois ela comenta que estava muito triste e só queria que eu estivesse lá pra poder dar um abraço nela no dia do aniversário, que tinha sido horrível sair com a mãe, que segurou choro a noite toda, que ela só queria me conhecer no dia do aniversário dela mas que parecia que eu não tinha gostado da ideia. Ai eu abaixo a guarda e crio expectativas, passo a conversar de uma forma mais carinhosa.
Pergunto sobre relacionamento e ela diz que terminou há pouco tempo, mas já estava há um tempo querendo terminar, e não dá mais detalhes. Volto a fuçar as redes e descubro que o intervalo entre o fim de um namoro de 2 anos e começar a conversar comigo é menos de 2 semanas. Volto a ficar triste e desconfiado por ser o consolo de alguém que só quer um relacionamento rebote, e que provavelmente depois de ajudar e reerguer essa pessoa, ela vai só virar as costas e voltar pro ex, que é bem mais bonito do que eu. Mas como ela sempre elogiava meu bom humor, minhas boas sacadas, acabo acreditando nessa de que talvez caráter e conteúdo se sobressaia.
Nesse ponto já estávamos conversando há umas 2 semanas, tentando encaixar uma data no final de semana pra nos conhecermos. Marcamos então para 3 de outubro, eu iria na cidade dela, 160km numa CG 150 pra conhecer alguém da internet numa cidade que nunca fui. Conversamos todos os dias por ligação, ligação de vídeo, falando sobre vida, trabalho.
Faltando 5 dias pra data que combinamos, numa ligação, ela me diz que alguém do trabalho dela arrumou alguém pra ela sair e ela aceitou, mesmo sem nunca ter conhecido a pessoa, disse que sentiu nojo, mas saiu. Beleza, racionalmente falando ela está solteira e faz o que quiser da vida, mas sinto uma falta de respeito do caralho fazer isso.
Ai eu comento sobre ela no trabalho, de forma bem rasa, e começam as histórias de pessoas que sumiram, foram roubadas, abusadas nessas de conhecer alguém pela internet. Decido investigar mais. Facebook, instagram, tiktok, facebook de todos os familiares, irmão, tio, primo, prima, mãe. Vejo que já foi casada (encontro um processo de divórcio) e que o requerente em questão foi o ex-marido. Nessa, já vejo que nos últimos 4 anos ela se casou, ficou 2 anos casada, separou, já engatou um namoro de mais 2 anos e menos de 1 mês depois já está me chamando de amor. Isso aos 24 anos de idade.
Desanimo total, decido parar de conversar e puxar assunto, levo muito a sério relacionamento e ela parece só querer aventuras. Sexta, sábado e domingo se passam. Sábado é o dia que eu iria lá. Ela nem questionou se eu iria ou não, parece não fazer muito caso, fico feliz, era o que eu queria, só me afastar e esquecer ela.
Ontem no horário do almoço dela, me manda uma foto com a cara inchada e de choro. Escrevo um texto dizendo pedindo desculpas, falando que tinha investigado a vida dela e dos familiares por medo de ir lá e acontecer alguma coisa, mas que não daria certo, que tenho coisas pra resolver antes na minha vida, mas que gostava dela, desejo sucesso e felicidades, algo pra terminar na amizade mesmo, num clima bom.
Ela responde que gosta da minha sinceridade, mas que nunca tinha pedido pra eu ir lá, e que o motivo do choro dela era algo muito pior que tinha acontecido domingo, que não conseguiu dormir, acordava chorando e gritando e pensou em me ligar, mas que bom que não tinha feito isso porque eu não me importava com ela. Que se eu fosse bom em investigar, que encontrasse quem seguiu, violentou sexualmente e bateu nela.
Ai eu desmontei, dor na barriga, tremedeira, ânsia de vomito, não sabia o que falar, aliás estou sentindo isso agora só de escrever e lembrar. Olhava pra tela do celular e não sabia o que digitar, só pensava nela sozinha em casa podendo fazer alguma besteira.
Eu jamais imaginaria que algo assim tivesse acontecido, mas ai já era tarde, ela só sabia falar que eu não me importava com ela, que era melhor assim mesmo, me afastando, e eu querendo demonstrar que mesmo não querendo um relacionamento, me preocupava sim com a vida de outra pessoa. Começou a falar que está cansada de ser julgada, que antes estava em um relacionamento abusivo, que hora eu era muito legal, mas hora eu julgava ela demais, que não era pra ter pena se nem intenção de conhecer ela eu tinha e que só queria uma amizade sincera.
Pergunto se ela está bem, se está com alguémm, responde que está em casa com medo, sozinha, com medo de ir trabalhar. Pergunto se ela conversou com alguém sobre isso e diz que não, falo pra deixar eu pelo menos escutar ela, que poderia falar o que fosse e eu ia dar suporte para o que precisasse, só que ai ela volta a discutir sobre eu parar de falar com ela, que não tinha motivo pra confiar em mim e que eu não gostava dela.
Confesso que usei de chantagem, que se não falasse comigo eu entraria em contato com a mãe e/ou irmão pra contar aquilo que ela estava me falando pra poderem ajudar ela, que se eu não conseguisse ajudar, iria encontrar alguém que consegue. Meu maior medo nesse momento era dela fazer alguma besteira, suicídio ou me bloquear e sofrer sozinha. Já estava procurando sobre o que fazer numa situação dessas na internet, o que falar, o que fazer, mas é tudo resumido em não culpar a vítima (óbvio, nunca faria isso) e escutar, mas como escutar alguém que não tem mais vontade/confiança de falar com você?
É isso, não sei como/o que/quando/quem falar, se acredito nisso ou não. Só quero o bem dela, mas não sei o que é o certo a se fazer. Jamais me perdoaria de "abandonar" alguém numa situação assim, mas sei que eu não sou a pessoa certa pra ajudar, que a família seria a melhor opção. Preciso de ajuda.

Update: ela disse que conversou com alguém do trabalho e essa pessoa marcou médico pra ela. Elogiei, disse que era bom que ela conseguiu conversar com alguém, e que seria ótimo também ir na delegacia da mulher pra relatar o crime. Enviei o link do CVV - Centro de Valorização da Vida, disse que lá ela teria pessoas mais instruídas pra conversar, de forma totalmente anônima e que iriam ajudar ela se precisasse. Terminei com um "boa noite". Ela respondeu com um "Obrigada" e "Boa noite". Considero minha parte feita, não vou mais mandar mensagem. Sendo verdade a história do estupro, ela agora vai receber ajuda de quem pode ajudar mais do que eu. Sendo mentira, conseguiu estragar um dia da minha vida me sentindo mal e quase vomitando de ansiedade, mas vou sobreviver e ter história pra contar, e até evitar futuros problemas semelhantes.
submitted by internalerrorfixed to desabafos [link] [comments]


2020.07.28 05:48 leepz2019 Um "amor" que eu não entendi

Olá me chamo L. (H.28) e venho buscar opiniões pra poder entender oque está acontecendo. Há 4 anos atrás conheci uma moça denominada D. Moça bonita e jovem 15 anos, só queria curtir e zoar a vida, quando eu a conheci foi em casa, naquela época consumimos maconha e vivíamos chapados, ninguém queria nada com nada, eu recém terminado e ela também. Nos envolvemos e aconteceu, a gente ficou e deixamos claro que não queríamos nós apegar tanto, porém não foi isso que aconteceu. Porém eu vinha passando por problemas devido ao meu término recente e vi que estava ali só por estar mesmo. Comecei a pensar e fui me afundando numa depressão profunda e amarga, porém não quis demonstrar isso, eu gostava muito dela e sabia que na idade dela não tinha porque envolver-la em algo desse tipo, afinal queríamos curtir. Passando um tempo minha mãe sabendo da minha situação me chamou pra ir morar com ela no nordeste, sem chão e sem nada resolvi ir sem hesitar. Expliquei para a D. que teria que ir embora pois não tinha mesmo condições de me manter nas condições emocionais que eu estava. Ela entendeu e compreendeu, sempre fomos muito sinceros um com o outro. Fui embora de coração partido por deixar a cidade e pessoas muito importantes pra mim pra trás. Chegando lá não consegui me adaptar e cai em depressão profunda, o único motivo pra eu sair da cama era comer e fumar cannabis. Passado um tempo comecei a me sentir mais disposto, saia pra passear beira mar, dar uns pegas bem assim dizer, uma euforia total. Cheguei a mandar mensagem pra D. Já que tinha me afastado por conta da depressão, porém ela tinha voltado com o ex, segui em frente afinal oque mais me importava era se ela estava feliz ou não. Passado uns 2 meses entrei em uma crise psicótica devido ao uso de cannabis. Passei por avaliação psicológica e fui encaminhado pra uma clínica. Foram os piores dias da minha vida, porém aprendi muita coisa ali. Eu já não queria mais morar lá no nordeste então saindo da internação resolvi fazer uso de drogas denovo sabendo que assim minha mãe me mandaria de volta pra minha cidade aqui no sudeste. Voltei e continuei a usar contrariando todo o tratamento da doença (esquizofrenia) uma simples tendência nada que me tornasse incapacitado de lidar com a sociedade. Certas vezes cheguei a sair e esbarrar com ela pelas ruas, cruzamos olhares mais ela ainda estava com ele e eu pensava que ela estava feliz e não queria estragar isso. Passado um tempo me atacou outra crise e resumindo segui pra uma internação mais severa agora aqui no sudeste e parei com o uso de drogas pra não atacar crise de novo. Fiquei um ano focado em trabalhar e cuidar de mim se manter relação amorosa com ninguém, isso foi ano passado. Um amigo em comum que namora uma amiga dela me disse que esses dias elas estavam conversando sobre mim, que ela aparentemente estava tendo um mal relacionamento com o namorado dela e disse que ela nunca me esqueceu e que gostava de mim depois de todo aquele tempo. O amigo me disse pra mandar mensagem pra ela, passado alguns dias eu criei coragem e mandei um oi pra ela no wpp. Sem resposta eu pensei, ela deve estar se acertando com ele, melhor eu deixar quieto. Passado mais alguns dias respondi um storie do instagram, não passou muito ela me respondeu com um emoji, logo voltamos a nos falar cada vez mais e mais. Perguntei se ela tinha terminado e ela disse que sim, antes de agente voltar a se falar ainda. Numa sexta feira tomando uma cerveja ela me disse que ia dar com o irmão, eu sem muito o que fazer chamei ela pra tomar uma em casa onde nos conhecemos, e ela aceitou e veio pra minha casa, já com a intenção de ficarmos, pois havíamos conversado por mensagem. O reencontro foi algo muito especial pra mim, algo que eu não consigo explicar. Ela passava quase a semana em casa, e quando ia pra casa dela trocava-mos mensagem do amanhecer ao anoitecer, eu achava me sentia muito pressionado mas sentia que ela precisava disso pois ela havia mencionado que também tinha parado de usar drogas que ocasionaram em crises de Pânico ou ansiedade não sabemos ao certo pois ela não quis ir ao médico saber sobre. Ela vinha tendo crises com certa frequência e eu sempre ajudei como pude, quando estava longe eu tentava distrair-la, quando perto abraçava, conversava, contava algo engraçado até passar tudo. Com um mês pedi ela em namoro durante uma festa que fazíamos em casa, ela aceitou, ficou emocionada ao meu ver, pois havia relatado que ninguém nunca tinha feito aquilo com ela, pusemos as alianças e comemoramos aquele dia. Ela passava muito tempo em casa e eu e meu irmão estávamos desempregados no momento, logo conversamos que ela vinha um dia da semana pra casa e nos fins de semana pra não pesar pra ninguém como havia combinado com meu irmão, conversei com ela e foi sem problema mas sempre ela inventava algo como está tarde ou vai chover ou que se sentia bem em casa comigo, pois o pessoal de casa sempre gostou dela e tratou ela super bem, entao eu ficava sem jeito de pedir pra ela ir pra casa dela. Mas sempre expliquei pra ela que quando eu pudesse eu traria ela pra morar comigo aqui, ela sempre ajudou como podia, não tinha dinheiro pois não trabalhava e eu ainda estava sem serviço pois nosso negócio estava parado por conta da troca de estação. Passando algum tempo realizamos a venda de um imóvel rural, recebi um bom valor da minha parte e sempre combinamos que quando o negócio voltasse a rodar iríamos trabalhar pra fazer esse dinheiro render então decidi pegar o resto das coisas dela , até isso acontecer aproveitamos muito, bebemos muito e curtimos muito, sempre comprei coisas pra comer sem necessidade, porém comprei muita coisa necessária também como roupas pra nós dois, comprei maquiagem pra ela, escova progressiva pro cabelo, trocamos de celular, comemoramos aniversário fomos em festas antes dessa pandemia é claro, aos pouco vi ela ficar cada vez mais linda de que quando a conheci. No caminho dessa curtição sempre reparei nas atitudes dela comigo, principalmente quando bebia ela me desagradava com certas atitudes, eu ficava extremamente magoado com aquilo e sempre me abri com ela e expliquei que aquilo me magoava muito. Coisas como, você tá parecendo meu ex, amigos que dava em cima dela eram melhores que eu, ou em certa conversa expliquei pra ela que ela me devia respeito, pois sempre respeitei ela e fiz o que ela queria, ela nunca teve quem fizesse essas coisas por ela, então eu fiz tudo na melhor intenção e felicidade por fazer ela feliz, ela me disse que não tinha por que me respeitar. Nós não éramos mais namorado, ela já estava morando comigo há mais de 4 meses, éramos praticamente marido e mulher, claro que tinha que ter respeito um pelo outro poxa. Sempre tivemos biometria do celular um do outro como sinal de confiança mas nunca olhei seu celular, uma vez ou outra só quando queria saber oque tanto fazia ali, e ela fazia também quando eu dormia eu acho, pois não via ela mexendo, até aí normal, apesar dos apesares sempre nos demos muito bem e eu achava que éramos felizes. Mas de nesses últimos 2 meses, reparei que ela já não se divertia muito diretamente comigo, só quando não tinha mais ninguém mesmo, se tivesse algum parente dela ou meu bebendo com a gente ela era totalmente radiante e feliz. Se eu for parar pra contar tudo que eu reparei com certeza vai ficar muito maior esse texto.. Continuando, mais precisamente a umas 3 semanas fomos a um aniversário do cunhado dela que eu sempre vou considerar como se fosse da minha família, inclusive sou muito grato a ela por ter conhecido ele e também a minha cunhada que é namorada dele e irmã da D. Enfim fomos a festa e chegando lá estava a família do aniversariante a mãe e os irmãos que eu conhecia aliás, tem um deles especificamente denominado J. Que ela sempre me falou mal, dizia que quando ele estava com a namorada ele era c..são e dava ânsia cada vez que ouvia o nome dele, porem recentemente a parceira dele largou dele e foi embora do estado. Até aí tudo bem, ele foi super simpático comigo, porém notei ela muito simpática com ele. Naquela noite fiquei assando carne na garagem em baixo onde se encontrava a maioria do pessoal, e ela distante de mim, direto lá em cima conversando com os irmãos do cunhado e nada de me dar atenção, percebi mas nem falei nada pra não ficar um clima chato na festa e nem começar uma briga com ela. Festa acabando chamei ela pra ir embora que a irmã dela ia levar a gente, ela estava jogando futebol no game com os irmãos do cunhado dela, e não me deu ouvidos direito, disse que estava vendo alguém jogar, eu falei vamo que o carro tá ligado já, ela disse que já ia, desci e falei pra irmã dela chamar que ela não queria vir, a irmã subiu, logo ela desceu, ao sair do portão torceu o pé, estava bem embriagada, todos estávamos, durante o caminho veio dormindo e chegou em casa subiu as escada deitou na nossa cama e logo adormeceu. No domingo ela acordou com o pé super inchado me chamou e eu perguntei se ela queria ir ao hospital ela disse que não, depois disso no meio do dia meu sogro liga pra ela perguntando se não queria ir na casa dele, disse que era melhor não ir por casa do pé, ela não gostou então fomos mesmo assim, bebemos rimos muito aquele dia, tudo normal, chegando em casa cuidei dela devido a pé e ficamos de boa, estava tudo normal aparentemente, na segunda ela ficou o dia inteiro no quarto devido ao pé inchado, na terça disse que iria na irmã dela e que a mãe ia lá e queria passar o dia lá, normal pra mim, antes de sair meu irmão havia pedido pra ela separar algumas peças que foram vendidas, ela disse que faria assim que chegasse. Na sexta feira antes disso meu avô havia sofrido uma queda e bateu a cabeça forte, no sábado do aniversário ele havia passado mal da pressão e ido ao hospital, desde então eu já estava aflito com essa situação e ela nem pra perceber, foi mesmo assim pra casa da irmã, no meio do dia me manda uma mensagem dizendo que o pé inchou, perguntei pra onde tinha andado ela disse que tinha ido ao mercado de apé, já fiquei meio irritado, pois há algum tempo ela já não ajudava nas tarefas de casa direito, coisa que sempre fiz independente de estar trabalhando ou não, paras as obrigações fazia corpo mole, pra se divertir era a primeira a agitar, blz. Me mandou uma foto do pé inchado, logo em seguida falei "quero ver essa disposição aqui em casa" e mandei uma palminha sobre a foto. Meu avô havia ido ao médico e eu estava extremamente preocupado. Não conversamos o resto do dia, mais ao anoitecer ela chega em casa me dizendo que tinha que voltar lá na irmã pra cortar a franja, só olhei e não respondi, por tamanha indignação com as preocupações minhas comparadas com as dela, que já não se importava muito com o que eu sentia e afins. Depois daquele dia ela se fechou e não saia do quarto nem pra comer, e direto eu vinha ver como ela estava, quando ela não estava vendo algo no celular estava jogando com o J. quem ela sempre falou mal, e estava rindo com o cara, toda hora conversando, e comigo nada de conversa, ia dormir tarde conversando no wpp e jogando, rindo com os outros e eu nada, fui ficando extremamente magoado e nervoso com isso tudo, cheguei a ter batedeira e tremedeira de nervoso, sensação de desmaio, fraqueza, decidi então ocupar a cabeça com serviço, enquanto ela ficava no quarto isolada falando só com quem ela queria eu me distraia com outras coisas. Na sexta feira resolvi puxar assunto com ela no wpp, já que ela não saia de lá, logo ela me respondeu e conversamos, disse a ela que não dava pra continuar desse jeito e ela concordou, eu também disse que desconfiava que havia algo errado ( mais uma coisa de intuição ou pressentimento não sei explicar) , ela me disse que eu tava viajando já, um pouco também é pelo fato de ela colocar o celular debaixo do travesseiro antes de dormir, coisa que nunca aconteceu e eu achei estranho mas nem falei sobre isso, durante a conversa me disse que tinha uma bagunça dentro dela que a vida dela era um caos e não queria me envolver nisso tudo, que cansou de fingir que tava bem e precisava pensar na vida, que tinha que ficar um tempo sozinha pra ver oque ela tava fazendo da vida dela????? Como assim? Depois de tudo que passamos que "conquistamos" , tudo que curtiu , dizia que me amava e eu também dizia, aliás ainda amo, cadê aquele amor todo que tinha me dito que tinha? Que nunca me esqueceu? Que eu era a melhor coisa que tinha acontecido na vida dela? Que eu era o homem que ela pediu pra Deus? Que eu ninguém tratou ela como eu tratei? Passou mais um dia, enfim logo ela mudou de assunto e desceu ajudar minha cunhada com umas coisas de casa, foi até mim, disse que me amava, me deu um beijo, e disse que havia melhorado um pouco, mais a tarde eu ainda trabalhando perguntei a ela, e aí tá de boa? Ela me respondeu.. Sinceramente não tô não.. Disse a ela que a hora que eu subisse conversaria Ela perguntou se podia chorar, pois estava com uma vontade gritante fazia tempo Disse que sim, que as vezes tudo que precisa é desabafar e fazer isso mesmo Eu subi, cheguei no quarto e liguei a TV e coloquei algo pra tocar num volume mais ou menos, abracei ela bem forte deitado na cama, e senti ela chorando bem baixinho pra não perceber, ali eu me senti muito mal mas muito mesmo, porém a gente havia conversado e ela me disse que não foi nada que eu tivesse feito ou falado pra ela, do contrário, era coisa dela e ela não queria me envolver, enfim ela terminou de chorar veio até mim e nos beijamos intensamente, sentou no meu colo e continuou me beijando, cheguei a pensar que transariamos. Ela saiu de cima e estávamos conversando sobre nada específico que envolvesse nossos sentimentos, ela me perguntou se eu tinha entrado no jogo que sempre jogamos juntos pra coletar recompensas eu disse que não e pedi pra ela pegar meu celular pra eu poder fazer isso, entrei lá e logo o J. estava online e me chamou pra jogar, joguei com ele na boa pq já tinha combinado, e perguntei a ela se ela queria jogar, sem hesitar ela entrou com a gente, jogamos até altas horas e foi bem divertido. No dia seguinte estávamos conversando normal e tudo até que um amigo em comum avisou que teria um churrasco de aniversário na casa dele a noite e teria chamado também a irmã dela e o cunhado, logo encaminhei pra ela e ela disse que tinha combinado almoço na casa da mãe do cunhado dela onde reside o J., falei mais eu nem sabia que se tinha combinado isso, e outra dava pra ficar pra outro dia, já percebi que ela não gostou e parou de falar comigo, subi no quarto pra trazer comida pra ela pois ela não havia saído do quarto, cheguei ainda amoroso e disse comprei algo pra você comer, ela disse que não tava com fome e não olhou na minha cara, pensei poxa denovo isso..algum tempo depois entrei no quarto ela rindo e jogando denovo com o mesmo cara, enquanto eu resolvia as coisas pro aniversário e trabalhava. Pouco antes de me arrumar entrei no quarto a mesma situação, não me senti mal exatamente por ela estar jogando e rindo com ele, fiquei meio chateado por que ela me ignorava. Enfim varou a tarde jogando e tive que pedir pra ela se arrumar se não nós atrasariamos, fez cara e se arrumou, e seguiu seca e meio calada igual a semana inteira, fomos para a festa.. Chegando lá se divertiu e tirou foto com todo mundo menos comigo..depois de um tempo ela me disse que estava passando mal e queria ir embora, trouxe ela em casa que é perto e pedi pra ela comer algo quando chegasse pra não acordar passando mal com dor de cabeça Ali eu tomei a decisão de fazer como se fosse um dia em que eu pudesse extravasar, Bebi como se não houvesse o amanhã, fui até 10 horas da manhã bebendo.. chorei muito desabafei muito com a minha cunhada que sempre foi parceira e amiga em tudo, inclusive da D. Subi e descansei, não vi ela acordar e quando acordei ela estava no banheiro, desci e continuei bebendo e pensando em tudo. Fiquei o dia sem inteiro sem entrar no quarto..quando entro me deparo com ela mais uma vez jogando e rindo com o cara, depois disso comecei a tremer e sentir batedeira denovo. Conversei com alguém e fui tomar um banho pra acalmar. Funcionou, entrei no quarto e acho quel ela percebeu que eu saí nervoso logo ela saiu do jogo. Na segunda feira ela ia repetir o mesmo esquema da semana passada e ia me ignorar..passei o dia inteiro pensado sobre o que fazer e como fazer e decidi subir pra conversar. Cheguei no quarto ela estava com a toalha ao lado..perguntei se ela iria se banhar ela seca me disse "vou"... Disse que a hora que ela voltasse precisaríamos conversar.. Ela voltou do banho e sentou na cama e disse.. Vai solta a letra.. Já rebati..é assim mesmo que você fala? Tem certeza que quer começar uma conversa assim? Ela disse não,, foi mal diz aí oque se quer Perguntei eai? As coisas vai ficar assim mesmo? Se não quer falar comigo, só ri e conversa normal com os outros? Ela disse eu não tô falando com ninguém 🙄 Já parei a conversa e falei ... Ó assim não dá nao...faz um favor e só arruma outro lugar pra você ficar e pode ir embora.. Sem hesitar ela disse hoje mesmo eu faço isso! Me doeu muito ter que dizer aquilo.. Mas para ela foi como se já tivesse esperando.. Então me dirigi a porta e disse, me faz um último favor? Ela disse hum? Falei.. Isso que você fez comigo, não faz com o próximo não.. é feio e é muito errado... Ela balançou a cabeça e disse... Tá bom Desci e fiquei inquieto lá em baixo, minha vontade era subir e falar tudo que estava e estou sentindo agora.. Ela me pediu pra ajudar a encontrar as chaves da sua casa, subi e quando abri a porta ela estava sentada chorando muito...aquilo me partiu o coração, mesmo assim encontrei as chaves e entreguei a ela.. Sentei ao lado dela quieto e esperei pela carona dela.. Pouco antes de ir me pediu um abraço. Nós abraçamos e nos beijamos uma última vez e enfim ela foi embora.. No dia seguinte atualizou seu status pra solteira nas redes sociais e posta indiretas como coisas do tipo a dar entender que já está em outra e isso tem me magoado profundamente.. Eu tenho tanto ainda pra falar..mas estou digitando faz horas.. Fica aqui um desabafo +
submitted by leepz2019 to desabafos [link] [comments]


2020.06.19 05:46 trololo2019 Eu não ligo pra minha mãe e estou feliz com isso (e já fui julgado por isso)

Sempre tive uma relação muito complicada com a minha mãe. Ela sempre cuidou de mim da melhor forma que podia (e conseguia) mas a personalidade dela é muito complicada em vários aspectos. Minha mãe é solteira, separou-se de meu pai quando ainda era criança, e, pra resumir, ela é uma pessoa extremamente controladora, no sentido coercitivo mesmo.
Há dois anos e meio namoro uma pessoa e recentemente ficamos noivos. Essa pessoa é simplesmente a melhor pessoa que já tive o prazer de conhecer e ficar junto. Uma pessoa sensível, que conversa, esforçada, madura, com habilidades sociais, enfim. Estamos organizando nossas finanças e até o final do ano estaremos morando juntos. Consigo vislumbrar uma convivência de longo prazo muito saudável e frutífera com essa pessoa e ela também vê isso dessa forma.
Quando contei isso a minha mãe, ela chorou, e eu não me senti nem um pouco mal por isso. Na verdade, cheguei a conclusão que nunca senti muita coisa pela minha mãe de fato. O jeito com que ela sempre agiu comigo, barrou qualquer afeto positivo que poderia ter por ela nesse e em outros momentos.
Quando eu digo isso a outras pessoas de meu convívio social, sinto que já fui julgado por isso. Muito provavelmente por existir em nossa sociedade uma ideia quase sagrada do "AMOR" entre pais e filhos, que, contudo, não se encontra na realidade muitas vezes.
Por fim, estou bem, como nunca estive antes, e considero isso tanto um desabafo como uma notícia boa. Finalmente tomei as rédeas da minha vida, estou conseguindo minha autonomia financeira e tenho planos e objetivos de vida. Espero que outras pessoas possam, assim como eu, se permitir a não ficarem presos a relações familiares não saudáveis só porque a sociedade nos pressiona, de certa forma, a isso.
submitted by trololo2019 to desabafos [link] [comments]


2020.05.27 21:21 Margaridadayse Como saber se você realmente ama alguém?

Tenho 25 anos e meu namorado 26. Nós já estamos juntos a 10 anos e eu sinto que amo ele, mas como ter certeza disso?
No começo do nosso namoro ele era bastante problemático, tinha rompantes de raiva e até a avó dele chegou a me falar para terminar com ele. Ele nunca dirigia a raiva dele para pessoas, mas para objetos. Quebrava o controle da televisão quando não estava funcionando direito ou esmurrava o portão quando não encontrava a chave. Esse comportamento me assustava um pouco e nessa época eu falava para mim mesma q nosso namoro era só algo passageiro e eu terminaria a qualquer minuto se ele dirigisse sua ira contra mim.
Diversas vezes no nosso relacionamento nos discutíamos ou brigavamos e eu sentia q ele não seria a pessoa com quem eu passaria a minha vida. Ele me falava palavras ferinas e eu revidava emocionante e ele me pedia desculpas. Eu continuava diminuindo meus sentimentos por ele e isso de certa forma me ajudava a pensar q estava no controle e q eu estaria pronta para terminar se as coisas ficassem mais ruins ou se passassem de limites q eu estabelecia internamente.
Com o passar do tempo ele foi diminuindo os comportamentos negativos e aumentando as qualidades.
Nós sempre nos apoiaiamos nos estudos. Crescemos intelectualmente juntos, passamos pelo vestibular, pela universidade e até pelo mestrado mais ou menos na mesma época e nos apoiando mutuamente.
Ele é a pessoa com quem mais consigo me abrir. Mais até do q com minha própria mãe. Se abrir para com os outros é uma questão problemática para mim, mas consigo falar sobre tudo com ele, no entanto, sinto necessidade de falar sobre nosso relacionamento com alguém de fora, por isso estou usando esse app.
A primeira relação sexual de nós dois foi um com outro e ele sempre foi muito respeitoso quanto a isso. O sexo entre a gente hoje é maravilhoso. Fazemos com muita frequência e é sempre muito bom, nós dois conseguimos gozar e sentir prazer. Sei q pode parecer estranho, mas ele é a única pessoa pela qual eu sinto desejo, não tenho interesse por nenhum outro homem e quando observo outras pessoas olho sempre para as mulheres e nunca para os homens, mas não acho q seja lésbicas, não sinto desejo por mulheres, simplesmente acho as mulheres muito mais bonitas e mais interessantes. Não consigo sentir interesse por nada ligado ao universo masculino e sinto uma forte conexão com tudo q é feminino, sou muito feminina.
Ele me ajudou e me incentivou a aproximar das colegas de universidade q atualmente são minhas melhores amigas. Ele é muito bom em manter amigos. Até hoje ele é próximo dos amigos do ensino fundamental embora tenha feito amigos na universidade. Já eu tinha problemas em manter conexão com as pessoas e ele me ajudou com isso.
Minha família gosta muito dele e a família dele gosta muita muito de mim. Minha mãe trata ele como um filho (se preocupa qnd ele está doente, cozinha mimos qnd ele visita etc) e a família dele faz o mesmo por mim.
No nosso dia a dia nós somos muito carinhosos um com o outro. Estamos sempre nos tocando e fazendo carícias. Tem hora q simplesmente me pego olhando para ele e sorrindo. Gosto do jeito dele, do cheiro, das expressões faciais e com frequência saio de onde estou e vou onde ele está simples dar um selinho ou um beijo na bochecha ou na testa dele e ele também faz isso comigo.
Ele me faz rir e sei q as vezes ele também me acha engraçada.
Nós temos os mesmos posicionamentos políticos e esse é um aspecto muito relevante para nós. Não conseguiria me relacionar com alguém q não percebesse a gravidade da desigualdade social no nosso país e não se posicionasse políticamente contra isso, por exemplo.
Nós envelehecemos bem fisicamente e atualmente nós somos muito mais bonitos e atraentes do q no início do nosso namoro qnd ainda éramos adolescentes. Eu cresci, aprendi a me arrumar e me vestir melhor, fiquei mais bonita e sei q ele me acha muito mais atraente hoje em dia, mesmo eu sendo o tipo dele desde o início.
Nós terminamos uma única vez nesses dez anos. Foi um término breve de duas semanas. A briga foi feia, mas quando ele estava arrumando para ir embora ele se ofereceu para me ajudar a apagar o status de relacionamento sério no face q eu não estava conseguindo encontrar e eu ofereci para ele ficar até a manhã seguinte pq não queria q ele perdesse uma reunião com o orientador dele. Então mesmo tendo terminado nós continuamos preocupados um com o outro.
Nossos principais defeitos no relacionamento hoje em dia é q ele não gosta de fazer as tarefas domésticas e eu reajo emocionalmente nas discussões.
No entanto, não sei se por causa dos pensamentos dos anos iniciais eu sempre fico me perguntando se realmente amo ele, se não deveria tentar outros relacionamentos ou viver um pouco solteira. Eramos muito jovens qnd começamos e fomos o primeiro e único amor um do outro e as vezes parece q isso não é certo hoje em dia, q as pessoas devem ter mais experiências amorosas e q seguir a vida toda com a mesma pessoa não é algo q se deva fazer (até minha irmã já me falou algo nesse sentido). Eu acho q amo ele de vdd, já desisti de assumir um concurso para ficar junto dele, mas fico com essa pulga atrás da orelha. Como ter certeza de q amo ele e q devo continuar a investir e manter nosso relacionamento?
submitted by Margaridadayse to desabafos [link] [comments]


2020.03.06 00:56 Nerdialismo Meu irmão está morando com uma mãe solteira e ela está fazendo a vida dele um inferno.

Meu irmão começou um namoro a um tempo com uma moça que conhece desde adolescente e a alguns meses atrás (7 meses para ser específico) começaram a morar juntos na casa dos meus pais. Ela tem um filho de um ano de outro relacionamento, o pai paga pensão, de vez em nunca, e então meu irmão se tornou o pai da criança, e o trata como seu filho de sangue e faz tudo que pode pra ajudar, e ele e a mãe do menino tem uma relação boa e tem muito em comum, ou pelo menos tinham.
De um tempos pra cá, diria que a uns dois meses, ela tem sido bastante negligente com as contas que eles fazem, como comprar fraldas e outros produtos que o menino precisa, além de faltar do trabalho cada vez mais, e gastar o dinheiro com coisas fúteis, sendo que ambos concordaram em guardar o máximo possível para construir o canto deles no fundo da casa de meus pais pra poderem ter mais privacidade.
É claro que ele não é santo, e também é bastante complicado de se conviver, ele gosta de ter a liberdade dele e não abre mão de um tempo sozinho nos fins de semana, além de estar sempre bebendo, de fim de semana mesmo ele começa a beber desde cedo e chega a tomar uma caixa inteira em um dia, além de fumar maconha de vez em quando.
Nessa semana ela faltou duas vezes e tomou uma advertência escrita, o que significa que a próxima vez irá ser mandada embora, e ele ficou muito bravo, discutiram e então ele me contou que não aguenta mais, que ele quer terminar mas que não sabe como vai fazer isso até porque foi ele que escolheu trazer ela pra morar junto e que por causa da criança ele não sabe se pode existir repercussões em expulsar uma mãe solteira assim do nada.
O que ele deve fazer, o fato de estarem juntos por tanto tempo em baixo do mesmo teto pode ter problemas legais pra ele? Deveria procurar um advogado?
submitted by Nerdialismo to brasil [link] [comments]


2020.01.20 17:31 Gab8786 A PIOR SOGRA DO MUNDO. Me livrei, mas doeu.

Considerações:
Primeiro: eu juro que isso não é fanfic. Eu vivi isso, acredite ou não.
Segundo: primeiro post que envio para o turma-feira, ah que emoção. Recentemente seus turma-feira's têm sido meu melhor passatempo, gratidão imensa por fazer meus dias melhores.
Terceiro: Minha vida amorosa é uma tragédia (não a nível de Shakespeare, mas é quase), te contarei apenas um dos casos. Se você gostar, quem sabe eu te conte mais outros...
Provavelmente você terá que fazer um vídeo inteiro sobre isso. Vamos lá.
(Os números e nomes aqui estão trocados. Não mostre isso no vídeo, ok editor?)
Aconteceu em 2014.
Conheci Micaela, a namorada com quem eu casaria se existissem condições. A gente combinava em tudo. Em todas as conversas tínhamos uma harmonia ímpar, gostávamos de estar juntos em todos os momentos, não tínhamos divergência de pensamentos políticos ideológicos (eu nem ligava pra isso na época), ela gostava de muitas coisas que eu gostava, se esforçava pra gostar de outras e eu fazia assim com ela também. Era muito bom estar junto dela.
Eu andava 3 km a pé pra ver ela e valia muito a pena(não existia Uber na minha cidade ainda, mas mesmo que existisse eu iria a pé pq eu n tinha grana, e ela gostava de mim mesmo assim, o que prova a veracidade dos sentimentos dela).
Ela frequentava minha casa algumas vezes, meus pais amaram ela, fez amizade com meus irmãos mais novos, ela jogava videogame comigo. Era um sonho.
Só havia um problema. Dona Gertrudes, a mãe dela. Ah, Dona GERTRUDES... Como posso te explicar, Luba... Imagina uma mulher religiosa ferrenha com uma moral do século 18. Eu não sabia disso até então. Pelo visto nem Micaela sabia que a mãe poderia chegar a um nível tão ABSURDO no final da história. Micaela apenas dizia que não podíamos subir pro quarto dela porque a casa estava bagunçada devido a uma reforma, e a mãe queria me conhecer primeiro (com o tempo), ou que ao menos eu assumisse namoro antes que eu pudesse frequentar lá em cima. Tudo bem? Tudo bem. Não sou acostumado com cerimônias, mas tudo bem.
Isso fazia com que tivéssemos que transar dentro do banheiro do prédio dela(Sim, nos primeiros dias já estávamos apaixonados a esse nível). Tinha uma câmera em frente à porta, mas a gente ligava o foda-se e entrava mesmo assim.
Aí você se pergunta: porque não na minha casa, no meu quarto? Bom, eu dividia meu quarto com meus irmãos. Nosso AP. Era pequeno, apenas 2 quartos. Seria constrangedor, muito embora, algumas vezes considerarmos essa possibilidade mantendo meus irmãos fora, mas era difícil.
Alem disso, dona GERTRUDES não deixava Micaela vir pra casa de um amigo sem mais nem menos. Ela não deixava eu entrar na casa dela, porque ela deixaria a filha entrar na casa dos outros?(Lógica dela). Então as vezes, quase nunca, ela ia escondido pra minha casa. Portanto, o banheiro, quase sempre, era nossa única opção (lembrando, eu não tinha grana pra Uber, imagina pra motel).
Chegou o momento que a gente se cansou disso (3 semanas depois) e resolvemos assumir logo esse namoro. Dona GERTRUDES quis marcar um jantar para perguntar quais as minhas intenções com a filha dela. SIM, não era o pai que queria perguntar isso, afinal ela era....... MÃE SOLTEIRA. SIIIIIIIIM, LUBA, MÃE SOLTEIRAAAAAAAAAA. Pegou raiva né? Saiba que não é nada perto do que vc vai sentir.
Então o dia do jantar chegou. A mãe veio com a famigerada pergunta e eu armei um discurso todo fofinho... "Eu quero amar e respeitar sua filha, quero conhecê-la a fundo, saber dos seus desejos e sonhos de vida, quero aprender com ela e ensinar tbm" pra que que eu disse "quero aprender com ela"? Ela já deu sua primeira patada: "Espera um pouco... Aprender com ela? Minha filha não é professora de ninguém não!"
Eu comecei a dar risada achando que era zueira, mas eu via cada vez mais que não. Que ela estava falando sério mesmo.
"Que absurdo, num relacionamento ninguém ensina nada a ninguém não, tem que estar todo mundo maduro o suficiente sabendo das coisas da vida, e o homem é quem toma a frente e quem sabe mais das coisas, porque é o chefe da família! Se você assume essa postura você é um bunda mole, e eu não quero minha filha casada com um bunda mole. CASADA, sim porque você sabe que um namoro é um preparativo para um casamento. ALIÁS, sexo, nananinanão. Só depois do casamento. Entendeu, senhor Matheus? Aliás... Quantos anos você tem mesmo?"
"19..."
"Pois é. Você que é mais jovem não deveria casar com uma pessoa 6 anos mais velha que você. (Sim, ela tinha 25 anos) Ela tem que se casar com um cara mais velho, com condições de formar uma família. Você trabalha? Você tem uma casa própria? Não. Então eu não acho que você deveria namorar minha filha, mas eu não vou estragar isso no dia da inauguração desse namoro né? Eu abençoo vocês mas com a condição de que você deve assumir essa responsabilidade."
E eu: "Tudo bem."
Sim, Luba eu deveria ter terminado alí, mas eu gostava tanto de Micaela, e eu achava aquilo ridículo demais para ser verdade, além disso eu não sou um cara de se jogar fora, eu não ia deixar que ela me considerasse um cara qualquer, eu fazia faculdade de Medicina na Federal, tinha educação de moral elevada de berço, iria provar meu valor, mas foi muita falta de amor próprio da minha parte. "Deve ser só pressão" eu pensava... Aham... Vai achando!
Os meses foram passando, e eu ainda não podia entrar no convívio da casa de Micaela, e ela ficava cada vez mais ausente, e me dizia por whatsapp que a mãe estava vigiando ela, não deixou mais ela sair de casa por um tempo, até que, quando chegou no sétimo mês, ela me revelou que Dona GERTRUDES não quer mais que ela se encontrasse comigo. E eu "WTF???"
Eu comecei a xingar a mãe dela dizendo ainda "como ela pode controlar tanto assim a filha de VINTE E CINCO ANOS? Micaela, você tem que tomar a independência para sua vida! Não deixe sua mãe te controlar assim! É muita imbecilidade da parte dela."
"Matheus eu ainda não me formei, não tenho condições de construir uma vida sozinha, e apesar de tudo ela é minha mãe, e eu não quero viver brigada com ela!"
"E eu, tudo bem... Como que a gente faz então? Se encontra escondido?"
"Parece ser a única opção né."
Assim fizemos por algumas vezes até o dia que eu fui para o prédio dela escondido. Ela estava fazendo um projeto da faculdade sozinha. Dona GERTRRRRRUUUDES viu pela câmera do prédio e desceu.......................
Eu nunca fui tão humilhado na minha vida.
"O QUE VOCE ESTA FAZENDO AQUI? Eu já não falei pra você não ver mais a minha filha? Você é um imprestável, você não é suficiente para minha filha, você é um qualquer e minha filha merece muito mais. Você é jovem e vai viver muita coisa ainda, vai conhecer muita gente e se relacionar. E se um dia trair minha filha? O que eu faço? Não importa a idade dela ela sempre será minha filha e se você for a causa do sofrimento dela eu n sei o que eu faço com você. Eu sei porque eu vivi isso. Ok? Além disso, você acha que eu não vi vocês dois pela câmera quando entravam no banheiro? Eu vi você falando mal de mim pelo whatsapp da minha filha, alem das fotos dela pelada! Eu fiquei tão chocada com isso que eu não permito mais vocês dois juntos, vagabundo. Saia daqui, vai para sua casa, eu já falei com o condomínio para não permitir mais sua entrada aqui. Não fale mais com minha filha. Está avisado.".
Enquanto isso Micaela morria de chorar pedindo para a mãe não fazer isso e ela estava irredutível. Não me permitiu falar nada. As duas subiram. E eu andei 3km de volta pra minha casa com o coração destruído. Achando que tudo tinha terminado.
Cinco dias depois me liga Micaela dizendo que disse a mãe que ia na casa da amiga Jéssica que morava perto de mim algumas quadras, mas estava vindo para minha casa para conversar comigo, dizendo que não iria desistir de mim.
Conversamos, e daqui a pouco DONA GERTRUDES liga para Micaela dizendo que estava na rua de Jéssica para buscar ela, porque ela havia esquecido de resolver algumas contas da casa no banco e ela queria a ajuda da filha. Depois ela deixava de novo lá na casa da amiga.
Micaela entrou em desespero. Saiu correndo daqui. Chegando no portão da minha casa estava lá a Dona GERTRUDEEEEEEEEES. Ela tinha ativado GPS no celular da filha e sabia de tudo.
Do carro ela falou aos berros e buzinas que chamaria a polícia e me acusar de sequestro se a filha não saísse e entrasse no carro. Eu tive que chamar meu pai que estava trabalhando porque eu não estava aguentando essa situação. Ele chegou e viu a situação insustentável. Falou com Micaela e levou até o portão. Meu pai não falou nada. Chegando em casa ele falou comigo o quão sortudo eu era por eu ter me livrado da convivência com esse ser desprezível como sogra.
Nunca mais vi Micaela.
Fiquei numa depressão profunda durante meses. Pensando no que me aconteceu.
Meu amor foi arrancado de mim sem dó nem piedade. Como se eu a agarrasse e tivessem cortado meus braços para que eu a soltasse.
Depois disso tive alguns namoros que também não passaram dos 7 meses. Hoje estou solteiro. Sem ninguém para eu dizer "te amo". Ao menos não de uma maneira tão sincera quanto eu dizia a Micaela.
Fim.
submitted by Gab8786 to u/Gab8786 [link] [comments]


2019.10.20 01:39 Adribaka #turmafeirababaca

Oi Luba, editores e turma, essa história aconteceu esse ano e eu realmente queria saber se eu fui babaca ou o menino(na verdade eu sei que foi ele mas queria ouvir a opinião de mais pessoas). Ok vamos começar: Eu sou de Santa Teresa, uma cidadezinha quase esquecida no Espírito Santo e eu comecei meu 7° ano esse ano e eu tava muito feliz por isso pq minha mãe tinha falado que eu tinha reprovado(se arrependeu da trolagem quando eu comecei a chorar), e por minha sorte estava na mesma sala que meu bff Henrique(citarei nomes to pouco me lascando pro que eles vão falar ou pensar) e eu gosto muitooo de desenhar e em uma aula de ensino religioso a professora pediu pra gente desenhar um monstrinho, era algo pra mostrar que todos eram diferentes ou algo assim, e foi ai que eu tinha achado que tinha conhecido o meu rival Arthur mas nós nos demos muito bem inclusive nossa primeira conversar foi de Undertale. Papo vai e papo vem chegou o mês do niver dele, obviamente eu não sabia mas fiquei surpresa que ele fazia niver no mesmo dia da minha mãe, mas antes do mês do niver dele eu tinha notado uma coisa: EU ESTAVA GOSTANDO DELE! E pior isso foi depois que eu fui na casa dele e conheci a mãe dele, que pôr mais que fosse uma mãe solteira que estava namorando ela era muito gentil e bonita e estava gravida da irmã dele, sério ela criou o Arthur quase que sozinha até conhecer o pai do irmão dele. No dia do niver dele eu decidi me declarar e AH! Ele sentia o mesmo! Fiquei muito feliz mas todos sabemos que felicidade de pobre dura pouco, com uma ou duas semanas de namoro ele mandou uma mensagem pra mim numa sexta feira dizendo que queria falar comigo e na segunda ele faltou e depois não falou mais comigo. Resumindo... Ele saiu espalhando que eu era abusiva e abusava da boa vontade das pessoas e pediu para todos os meus amigos se afastarem de mim, até o Henrique! Eu fiquei muito triste mas muita gente ficou no meu lado inclusive minha mãe querida, no começo desse mês ele começou a espalhar que eu era lésbica pra outra sala eu não sou mas mesmo que fosse, ELE NÃO TINHA O DIREITO DE SAIR ESPALHANDO! E o pior, ELE IA FALAR COM A CONSELHEIRA/COORDENADORA DE CORREDOR QUE EU ESTAVA FALANDO MAL DELE! Então eu tomei atitude e pedi para minha professora de português que gosta muito de mim pra deixar eu ir falar com a moça do corredor, que é apelidade carinhosamente de Jô, e ela falou com ele e deu uma bela de uma conversar pra ele parar. Eu me sentei longe dele mas não deixei de notar que ele não parou de fofocar de mim, mas o karma bateu e nessa sexta feira dia 18 eu soube que ele recebeu um fora de uma menina muito bonita. E eu só queria falar que realmente falei um pouco mal dele mas não igual ele estava falando de mim e sou realmente meio abusiva e possessiva pq tenho trauma de abandono e tenho medo de ficar sozinha sem amigos de novo. Desculpa ficou muito longa mas fazia tempo que eu queria falar disso com vc <3 Então Lubisco, Lubinha, príncipe da minha vidinha, quem foi o babaca? E oq vc acha que eu deveria fazer para superar o meu trauma e pra isso não acontecer de novo?
submitted by Adribaka to whostheasshole [link] [comments]


2019.09.16 21:58 dxvgs relacionamento toxico?

não sei como começar isso mas acredito que eu realmente esteja em um lugar certo.
eu vivo um relacionamento com a mãe do meu filho meio que abusiva, começando há alguns anos atras quando a gente se conheceu e começamos a namorar, onde pra ela o namoro é sair pra onde quiser, com quem quiser e eu não ter o direito de dar palpite em nada.
vivi isso por dois anos até que conseguimos terminar, mas ela me ligou falando que tava gravida e que queria conversar... reatamos.
3 meses de gravides ela começou a me tratar super mal e me pedir dinheiro pra tudo, pra exames, pra comprar coisas pro bebe, coisas que eu nunca vi, e nem vi os recibos...
um tempo ela me pediu o valor de 250 reais para fazer ultrassom, na época não trabalhava e dei duro pra conseguir esse dinheiro, para depois descobrir que pegou pra ir em uma festa que tem na cidade.

um tempo depois ela mesma me disse que me deu o filho porque o meu sonho era ser pai, sem nem me perguntar se eu tinha condições em criar uma criança, resolveu engravidar só pra aumentar o próprio ego e sempre sair por cima.

hoje faço tudo pelo meu filho, movo mundos e fundos pra velo bem e dar tudo que ele necessita, coisa que eu não vejo pelo lado da mãe dele.

Ela sempre me pede dinheiro pra comprar um leite que ele precisa tomar até atingir 1 ano e 2 meses, eu compro 3 latas por mes (não estou reclamando, pois se eu pudesse eu comprava era a fabrica pra ele) mas ela não ajuda, só quer pegar o dinheiro pra sair pras farras com suas amigas solteiras que não tem filhos.

ela tem 3 filhos e ficam com a mãe dela direto...

eu realmente não sei o que fazer, estou passando por uma fase truculenta na minha vida. meus pais são deficientes auditivos, então pra eles entender algo que é necessário é um pouco complicado. Meu pai está com problema nos rins onde corre o risco de fazer hemodialise caso ele não siga uma dieta rigorosa, mas ele não entende e fica muito bravo, reclama muito, xinga muito e fica muito puto, briga com minha mãe o tempo todo, o clima na minha casa ta o inferno, e agora minha mãe contraiu um problema no ligamento do ombro, pois ela é artesã e tem mais de 50 anos que ela faz croche, repeditamente todos os dias...
minha familia por parte de mãe tenta ajudar mas reclamam muito porque o tratamento da minha mãe é caro, a cirurgia é cara e pode correr o risco de perder o braço.

eu não consigo ajudar porque tenho o meu filho pra "sustentar" enquanto a mãe dele vive as custas da mãe e não procura um emprego.

já pensei inumeras vezes tirar minha vida por conta de tudo, não aguento mais reclamações e pessoas diminuindo o que eu sinto chamando de frescura.

desculpa o desabafo mas eu acho que cheguei no ponto mais alto da montanha russa, agora é só ladeira abaixo.
submitted by dxvgs to desabafos [link] [comments]


2019.07.20 02:44 marii7261 Dificuldade de namorar

Tenho 26 e sou mãe solteira de um filho de 2 anos. Um sonho meu sempre foi ter um relacionamento estável, mas desde que tive meu filho e separei do pai tenho tido um problema. Eu queria alguém que eu pudesse ficar à vontade pra incluir na minha rotina com meu filho.. eu sei que isso pode ser pedir demais mas não consigo me imaginar sem isso. Cheguei a ter um namoro de 7 meses recentemente, mas não foi nada do que eu queria. A gente saia sempre só nos 2 juntos ou com meus amigos e os amigos dele. Entendo que seria ótimo pra um relacionamento normal mas pra mim não. Queria poder ter a liberdade de levar meu namorado pra sair comigo e meu filho também (ele não parecia gostar muito). Mal que eu sei que dificilmente vou achar alguém com essa mentalidade, e sinceramente não faço questão de namorar alguém sem ter interação com meu filho. Eh, vou morrer solteira :(
submitted by marii7261 to desabafos [link] [comments]


2019.01.29 22:38 guizocaa Gostaria de contar pra vocês a história do meu último namoro

Tudo começa em uma sexta em que eu combinei com um amigo da faculdade (ambos formados já) para fazer alguma coisa. Ele me diz que uns amigos dele haviam o chamado para fazer algo também se eu não gostaria de me juntar a eles. Na verdade eu não queria. Estava prestes a inventar uma desculpa pra não ir, mas acabei mudando de ideia por estar entediado em casa.
Chego lá antes e o encontro. Depois chega um outro amigo dele e, mais tarde, duas amigas. São duas irmãs. Ficam dois núcleos de conversa: o primeiro entre mim, meu amigo e a Rafa e o outro entre a irmã dela e a irmã. Eu a achei muito mala, além de que tivemos umas discussões mais incisivas para pessoas que haviam acabado de se conhecer.
Gostei dela.
Depois esse meu amigo me diz que elas gostavam de board games, então combinamos um tempo depois de jogar Catan na casa dele. Também me falou que elas são da igreja dele (Presbiteriana) e também moram no mesmo condomínio. No fim da noite da jogatina tive a oportunidade de pegar o whatsapp dela. A parte mais interessante é que elas tinham que ir embora porque era meia-noite, uma regra dos pais. O mais interessante ainda é que uma tem 31 anos e a outra 30.
Começo a falar com a Rafa e a chamo para sair. Recebo um belo 'não'. Ela diz que prefere ficar solteira e que eu não seria alguém que os pais dela aprovaria (Isso em junho do ano passado).
O ponto é que eu tenho 27 anos e fui criado em uma igreja Presbiteriana Independente, mas havia deixado de frequentar há muito tempo por algumas razões, sendo a principal dela a pouca fé (ou alguma fé).
Ao invés de seguir o jogo, ela demonstrou interesse na minha amizade e continuávamos nos falando constantemente. Ficamos bastante amigos.
Outro ponto relevante de levantar é que sou uma pessoa desleixada e preguiçosa e estava em um período ocioso, além de fora de forma. Apesar de formado em direito, eu nunca fui exercer porque no fim do curso eu já odiava e trabalhava na empresa do meu pai e do meu irmão de semijoias que ainda era nova (ainda é, mas crescemos bem).
Meu interesse por ela me incentivou a levar as coisas mais a sério. Voltei a treinar jiu jitsu, boxe e tomar um rumo da vida de vez. E fui crescendo enquanto ela foi se interessando mais por mim aos poucos. Mas a gente 'brigava' porque eu sempre queria mais que amizade e ela batia na tecla de ser solteira e dos pais e, quanto mais o tempo passava, mais os pais que eram citados mesmo. Já teve várias complicações no passado por namorados desaprovados.
Esse meu amigo vivia me chamando pra voltar pra igreja e acabei aceitando, sendo que ela também foi um incentivo. Acabei me dando bem por lá e isso me deixou feliz.
Teve o aniversário dela no fim de agosto e depois fomos para minha casa passar um tempo com uns amigos juntos. Entreguei o presente dela e foi a situação perfeita para o primeiro beijo nosso, mas acabou não rolando.
Na semana seguinte, combinei com o outro amigo que também conheci naquela sexta para ir ao culto de jovens no sábado. Duas horas antes ele disse que não podia ir. Comentei com ela que iria sozinho e ela acabou dizendo que ia comigo. Depois fomos comer comida japonesa (ela ama) e ali nos beijamos pela primeira vez .
Mas é claro que ainda tinha um problema: os pais. Na verdade, quando eu digo pais significa a mãe. O pai dela é meio indiferente, pois ele se importa mais em não ser incomodado. Aliás, ele é um pastor pentecostal. A mãe frequenta a Universal, é uma pessoa extremamente desequilibrada (óbvio que partindo de mim é uma posição bastante enviesada). Ultra controladora e briguenta. Os pontos que a Rafa citava que faria a mãe ser contra: eu não ter maturidade espiritual, a diferença de idade e a questão profissional, considerando que eu ainda estava retomando meu rumo.
Combinamos em uma segunda de eu ir jantar na casa dela e fui apresentado como um amigo que estava querendo a conhecer (mancada nossa ter mentido) e ela percebeu que já éramos mais que amigos, então as duas brigaram depois que fui embora (ainda dei um chocolate para a mulher).
Nós discutimos a situação e decidimos que tentaríamos ficar juntos. No domingo dia 23 de setembro, eu finalmente a pedi em namoro. Até comprei uma bonita aliança.
Como a mãe era contra, para fazer a Rafaela terminar comigo ela a proibiu de usar a máquina de lavar roupa da casa e as panelas, forçando-a a lavar nas mãos suas roupas e ter que se virar pra fazer comida.
Isso me fez pensar em terminar com ela, porque não queria que ela passasse por isso por minha causa. No sábado seguinte nós fomos ao shopping e depois comer comida japonesa no mesmo lugar.
Naquela semana, recebo mensagem no whatsapp do Pastor Joézer, que era da igreja em que eu fui criado. Óbvio que fiquei surpreso, mas sabia de alguma forma que a mãe tinha algo a ver com isso. Ele pergunta se pode me ligar, o que me estranhar mais ainda. Pois bem, ela achou o número dele e começou a falar de mim e que era contra o namoro, gritava no telefone. Não sei ao certo que ela queria com isso, se esperava descobrir algo ruim sobre mim. Ele só falou bem de mim e avisou que o comportamento dela era de alguém com uma patologia mesmo. Era uma pessoa doente.
No domingo, chamei-a para almoçar com minha família e ela aceitou. Chegando na escola dominical de manhã, ela me mandou uma mensagem dizendo que não ia poder ir mais. Sim, ela terminou comigo naquele dia. A pressão da mãe funcionou (ela ameaçou contar para os pastores da igreja coisas sobre os namoros passados dela).
Nunca senti tanto ódio na minha vida quanto eu senti por essa mulher. Duas semanas depois, por sentir muita falta um do outro, decidimos nos encontrar. Passamos uma tarde juntos e eu tinha um casamento de um amigo que não deu pra ela ir (ela é engenheira civil e dá aula à noite). Nós discutimos se voltaríamos ou não o namoro. Naquele sábado, combinamos de jogar Catan na casa daquele meu primeiro amigo e tenho a péssima ideia de nos encontrarmos uma hora antes pra passarmos um tempo juntos. Eu a encontro em uma rua perpendicular à rua do meu amigo que tem uma mesa e banquinho. Ela está muito tensa porque percebeu que a mãe suspeita de algo. Nós discutimos mas logo nos entendemos. Tempo depois, surge o carro da irmã na rua e a mãe no banco de passageiro. Ficamos nos encarando por segundos que pareciam horas. Ela manda a Rafa entrar no carro e começa a discutir comigo, dizendo que eu tornei a filha dela uma pessoa rebelde, que ela era obediente e que foi o diabo que me colocou na vida da filha dela. Logo gritava "PRESBITERIANO INDEPENDENTE NÃO ENTRA NA MINHA CASA! PRESBITERIANO INDEPENDENTE NÃO ENTRA NA MINHA CASA!" (já entro no ponto do motivo).
Depois daquele dia (foi um sábado acho que 13 de outubro), ela foi proibida de falar comigo ou seria expulsa de casa. No dia seguinte, a mãe tomou o celular dela e só devolveu na segunda porque ela usa pra trabalho.
Depois disso, foram tempos estranhos. Principalmente por frequentarmos a mesma igreja, termos os mesmos amigos lá e moramos 7min um do outro. E a irmã dela fica de olho se ela não fala comigo, além de me odiar por causas das brigas que aconteceram na casa em função do nosso namoro.
É uma situação muito estranha, ainda mais porque eu amava ela (ainda amo).
Existem muitas situações e detalhes que deixei de fora por questão de exposição e que este texto já ficou muito grande.
Ah, sobre os presbiterianos independente. Há uns 30 anos, o marido dela era pastor de uma presbiteriana independente. Ele passou para uma linha mais pentecostal e começou a pregar por lá questões que saiam da doutrina presbiteriana e isso dividiu a igreja. Inevitavelmente, ele foi convidado a se retirar. O ponto é que ele vivia na casa pastoral e, como não era mais pastor, teve que se retirar de lá também, mesmo tendo duas filhas pequenas (a rafa tinha um pouco mais de um ano e a outra era bebê). Isso criou um trauma neles que nunca se recuperaram. E onde que eu entro nessa história? Bom, havia várias pessoas da família do meu pai que frequentavam aquela igreja, sendo que um tio do meu pai era presbítero (pra quem não sabe, pense no presbítero como o poder legislativo da igreja e que o pai da rafa sofreu um impeachmeant). Esse tio é um baita traste, por sinal. Eu imagino o impacto que teve pra mãe da Rafa quando soube meu sobrenome.
Outro ponto que odeio é o fato de que ainda tinha que ouvir a música "dona Maria deixa eu namorar a sua filha..." (sim, a mãe tem Maria no primeiro nome).
Bom, quem sabe no dia em que ela se mudar. Por ora, não fazemos parte da vida um do outro. Ela sempre fica tensa quando me encontra por medo da irmã achar que está rolando algo. Domingo passado mesmo ela me cumprimentou e correu. É bem ruim achar que encontrou a pessoa que vai querer passar sua vida junto e esse tipo de coisa acontecer.
O certo era eu revisar esse texto mas cansei já.
Respondo (quase) qualquer pergunta sobre isso.
submitted by guizocaa to brasil [link] [comments]


2017.11.13 21:35 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois / Parte 2

Não esperava que a Parte 2 ia rolar tão cedo, mas tem atualizações aí. Para quem quiser, dessa vez tem um TL/DR no fim.
A parte 1 é essa aqui: https://www.reddit.com/brasil/comments/7c6tsx/today_i_fucked_up_a_estranha_sensa%C3%A7%C3%A3o_de/
PS.: escrevi isso aqui correndo assim que cheguei em casa, então provavelmente pode estar confuso ou com uns errinhos. Nem de perto foi tão trabalhado quanto o conto que eu fiz da primeira parte. Me desculpem de antemão.
Tive uns dos finais de semana mais atípicos dos últimos anos. Acho que nunca viajei tanto em memórias e dúvidas. Será que realmente rolava alguma coisa? Aliás, será que foi ela mesmo que eu vi na rua? Ela aprecia tão mais velha que talvez sequer fosse a mesma pessoa. E cá estava eu viajando porque uma pessoa aleatória me morou na rua e eu a confundi com alguém que não vejo há doze anos.
Ainda assim, embarquei na onda da nostalgia. Escutei os CDs do Linkin Park, System of a Down, Evanescence e Radiohead que a gente ouvia na época, baixei alguns jogos que eu jogava na época (Xenosaga, Burnout e alguns outros) e coloquei no PS2 que eu achei por um preço ridículo numa feira de rua. Assisti Anjos da Noite e Oldboy, dois que eu lembro de ver naqueles tempos. Domingo eu estiquei a ida à feira e fui até o curso de inglês que frequentávamos juntos, refiz o caminho de lá até casa onde os pais dela moravam. Antes que perguntem, não, eles não moram mais lá. Sei disso porque a casa apareceu à venda há muito tempo.
Foi um fim de semana agridoce. A esposa me achou meio para baixo, eu revirei horas no travesseiro antes de conseguir dormir. Segunda de manhã, indo para o trabalho, eu já estava mais sossegado. Cheguei à conclusão que havia uma enorme possibilidade daquilo tudo ser um baita mal entendido, que aquela mulher sequer era ela. E que eu provavelmente jamais a encontraria na minha vida. E me preocupar com algo tão inatingível era sem propósito algum. O fato de eu ter tentado encontrá-la no Facebook por horas sem sucesso só reforçava isso.
Eu conhecia apenas um dos seus sobrenomes, mas ela não aparecia de forma alguma. Tentei com sobrenome aleatórios algumas boas 20 vezes, devo ter aberto mais de 200 perfis. Nada. Nem sinal.
Mas eu queria falar com alguém sobre aquela história, então decidi me abrir com um amigo do trabalho que é bem gente fina e em quem confio. Passei o almoço contando a história e depois ficamos uns 40 minutos discutindo o assunto. A conclusão dele foi a mesma da galera daqui: "Caralho, como você não falou com ela? Dava um oi, chamava pra conversar".
Falei para ele também que estava começando a duvidar de mim mesmo. Ela estava com uma aparência tão mais velha e nós temos a mesma idade, eu dizia. "Cara, classe média baixa, dois filhos com 20 e poucos anos, voce nem sabe se ela é casada ainda ou não. Às vezes virou mãe solteira e está numa luta fodida".
Quando voltamos para o trabalho, fiz mais uma rodada de pesquisa no Facebook. Talvez fosse uma memória embasada do passado, talvez fosse só uma coincidência, mas eu cismei com o sobrenome Ferreira. Não era o sobrenome que eu sabia com certeza, só um chute que ficava martelando a minha cabeça. Parte de mim dizia que era confusão. Eu tinha uma amiga com o mesmo nome dela é Ferreira no sobrenome, provavelmente estava só confundido as coisas.
Nesse processo, aprendi que o Facebook te dá resultado diferentes para a mesma pesquisa quando você a faz de tempos em tempos. E logo depois desse desabafo, como se falar em voz alta fizesse ela se materializar, ela apareceu. O mesmo rosto de 12 anos atrás, o mesmo sorriso, os mesmos olhos. Minha mão tremeu no computador, levantei para pegar um café é uma água. Respirei fundo, e voltei para ver o resultado.
No começo, senti um misto de alívio e decepção. Ela parecia exatamente como 12 anos atrás, então não era possível que aquela mulher que encontrei na semana passada fosse ela. Abri o perfil e comecei a ver as fotos, os filhos, a pouca vida dela que aquela janela mostrava. Quando abri uma foto mais recente da linha do tempo, a verdade voltou com um soco no estômago: eu realmente a encontrara. A foto de perfil era antiga, mas as mais recentes não deixavam espaço para dúvidas. Eu tinha esbarrado com ela.
Chamei meu colega de trabalho para tomar um café e mostrei as fotos no celular. "Se você não me dissesse que ela tem a mesma idade que a gente, eu nunca ia acreditar em você. Ela parece uns dez anos mais velha, mas era a menina bonita antigamente". E fez a pergunta que eu já estava fazendo mentalmente. "Porra, uma porrada de foto com a família e os filhos, mas e o pai?".
A resposta eu encontrei na lista de amigos dela. Percebi que tinha amigos em comum com outra pessoa da família que tinha o mesmo sobrenome, um amigo farmacêutico que começara a trabalhar em uma farmácia perto do ligar onde trabalho. Era perfeito. Liguei para ele dizendo que queria trocar uma ideia, mas ele tinha acabado de ser transferido para outra unidade da rede para cobrir uma unidade. Com um fogo no cu absurdo, larguei o foda-se no trabalho, peguei um Uber e fui para lá.
No caminho, eu já não sabia bem o que estava fazendo. Eu ficava vendo e revendo aquelas fotos no celular no caminho, lembrando mais e mais dela. É engraçado lembrar de uma pessoa com quem você teve um relacionamento tão profundo e tão curto há tanto tempo. Às vezes eu não sabia bem se eu estava lembrando de alguma coisa ou se eu estava fantasiando, se estava extrapolando algumas memórias.
Fuçando o Facebook dela - curtidas, comentários, gostos, fotos - eu via que ela era exatamente o que eu imaginava. Uma pessoa extremamente simples, de família de classe média baixa, com um estilo de vida simples, bem família e discreta. Os filhos pareciam ser o primeiro lugar em tudo.
Encontrei meu amigo por volta das 16h e subi para a sobreloja da farmácia. Ele vivia falando que o trabalho dele era um marasmo absurdo e tudo que ele fazia quase o dia inteiro era ficar no segundo andar jogando 3DS e como ele estava prestes a comprar um Switch só por conta disso. "Queria ter esses problemas no meu trabalho", brinquei.
Esse meu amigo não é super próximo, mas nos conhecemos há uns 15 anos e crescemos na mesma vizinhança. Apesar de não ser o tipo de pessoa para quem eu desabafo, é alguém em quem eu confio demais. Contei para ele a história toda. "Porra, mas achei que você e XXXX fossem felizes. Vocês têm uma vida tão tranquila". A gente é, eu expliquei. Na verdade eu sou feliz para caralho com a minha vida conjugal, "mas essa ogiva nuclear me fodeu completamente. Pelo menos nesse fim de semana".
É aqui que a história dá uma guinada um pouco para pior. Meu amigo farmacêutico é o tipo de cara que está a cada semana com uma mulher diferente. Os namoros nunca duravam muito. Ele é pintoso e gente fina, então é o tipo de cara para quem chove mulher. E uma dessas mulheres era prima dela, uma mulher com quem ele saiu até por bastante tempo (quase seis meses) dentro dos parâmetros dele.
Ele não lembrava os detalhes, mas ela ficou "falada" na família por conta da crise no casamento. Casou nova, passou para um concurso público que pagava bem mal, mas pelo menos era um emprego garantido, e teve um filho logo no primeiro ano do casamento. No começo, parecia conto de fadas: os dois colegas de escola casam, passam em concursos públicos diferentes (naquele boom de concursos que rolou entre 2005~2010) e têm dois filhos bem rápido. Aos 22 anos, eles já tinham a vida "feita" para alguns padrões.
Mas isso não durou muito. Meu amigo farmacêutico não sabia dos detalhes, obviamente, mas o cara se arrependeu de ter casado tão cedo. Ela largou a faculdade para se dedicar aos filhos. Ainda assim, faltava tempo para cuidar dos dois. Ela largou o emprego público também para se dedicar às crianças e virou dona de casa em tempo integral.
"Ela passou em um concurso público de primeira, eles achavam que ia ser fácil entrar em órgão público mais tarde, quando as crianças estivessem maiores". Burrice do caralho, pensei. A procura por concurso público cresceu vertiginosamente e as vagas minguaram. Agora até os concursos mais bundas tinham altíssima concorrência.
Aparentemente, boa parte da família foi contra. A gente está falando de uma família de classe média baixa de um subúrbio bem quebrado. Para eles, aquela vaga no emprego público era a garantia de que ela teria estabilidade para a vida toda. Ela insistia que o marido tinha um emprego melhor e que eles economizariam tendo ela como dona de casa.
Passaram algum tempo juntos dessa forma, mas o cara ficou de saco cheio. Meu amigo não sabe se chegou a acontecer traição ou não, mas ele enjoou daquela vida. Achava que tinha casado muito cedo, que não tinha aproveitado a vida. Que os dois se precipitaram, que ele não tinha vivido. Que ele não queria ficar preso naquela vida desde tão cedo.
E meteu o pé.
Na família, segundo meu amigo, rolava um misto de pena e revolta com a menina pelas decisões dela. No final das contas, ela voltou para a casa dos pais, entrou em depressão e passou a viver em função dos filhos. Ela não conseguiu terminar a faculdade e jamais a reatou por causa deles também.
Caralho.
No caminho para casa, eu fiquei pensando o quanto aquilo era triste e curioso. Triste por razões óbvias. Curioso porque ela viveu o meu sonho. Sei que pode parecer besteira, mas meu sonho sempre foi casar e ter filhos cedo. Eu nunca fui um cara muito da pegação - até porque, como já disse aí, sempre tive a auto-estima muito baixa - e sempre quis ter uma família, meu sonho sempre foi ter filhos. E eu queria curtir os meus filhos o máximo que pudesse. Imagina você com 32 e um filho de 10 anos? Quanta coisa gostosa você não ia poder compartilhar, viver junto? Acho que o passar do tempo torna o abismo entre as gerações cada vez maior, o que dificulta essa aproximação entre pais e filhos. Em tempo, é só uma opinião pessoal. Não tenho filho, então não tenho muita voz nisso e posso estar redondamente enganado.
Ela viveu o meu sonho, mas tudo deu radicalmente errado. Hoje eu entendo como deve ser problemático casar cedo. Eu casei com 26, o que muita gente já chamaria de cedo hoje em dia. Mas caralho, casar aos 20? Eu precisaria ter certeza absoluta de que estava com uma ótima pessoa ao meu lado, mas é difícil a gente chegar a essa conclusão tão cedo. A maioria das garotas com quem saí entre meus 18~22 anos jamais estariam na minha lista de possíveis esposas hoje em dia. Algumas são minhas amigas até hoje, mas a grande maioria ganhou pensamentos e posições que vão contra quase tudo que eu acredito.
Tentei imaginar a vida dela agora. 32 anos, dois filhos, divorciada, sem faculdade e depois de largar um emprego público, morando na casa dos pais. Os posts e fotos dela no Facebook tem um quê de agridoce. Parece haver um amor incondicional pelos filhos e pelo desenvolvimento deles. Mas ao mesmo tempo parece haver uma triste por não ter aproveitado a vida. Encontrei até um post antigo em que ela nunca tinha andado de avião e sonhava em conhecer a Europa, postava fotos dos lugares que gostaria de viajar, lia livros sobre eles.
Eu sei que isso pode soar paternalista, mas tudo isso me pesava muito o coração. Me dava vontade de ir lá, de mudar a vida dela, de levá-la para Paris, Roma, Praga, Porto, as poucas cidades que visitei nas vezes em que fui para lá. Me dá vontade de correr para encontrá-la, abraçar, ficar com ela, conversar, qualquer merda.
Mas aí eu caio na realidade. Cá estou eu, casado, relativamente estabelecido, vivendo super de boa até sexta-feira. E se eu puxar uma conversa no Facebook para encontrá-la, chamar para um café pelos velhos tempos e falar que fiquei sem jeito de puxar papo com ela quando a vi na praça sexta-feira? O que eu vou dizer?
Depois de explicar porque saí do curso daquele jeito, 12 anos atrás, vou falar que era completamente apaixonado por era e que estava me sentindo feito um adolescente agora? Será que não vou adicionar mais um arrependimento para a lista dela, partindo do princípio que ela talvez também sentisse algo por mim à época? E se não sentia, de que isso serviria?
E não sei as consequências que vê-la pessoalmente podem ter. Sim, ela parece bem mais velha e o tempo não foi bom com ela. Mas eu ainda a acho linda e sinto um aperto no coração idiota toda vez que olho para as fotos dela no Facebook. Eu tenho medo de aparecer, me mostrar como algum exemplo da felicidade e bom senso (sim, já escutei de amigos meus que tenho a vida "perfeita demais" por conta do meu bom senso em geral, apesar de eu achar que tenho uma vida ok, só pautada pelo "pensar antes de fazer") que apenas acentue as más escolhas dela. Eu tenho medo de não aguentar e fazer merda, de estragar um casamento que vai bem para caralho.
Ela está aqui, a um clique de distância, e não sei o que fazer. Nem se devo fazer alguma coisa.
TL/DR: achei a menina no Facebook depois de chutar dezenas de sobrenomes diferentes. Ela está divorciada, largou um emprego público e parece estar numa fossa fodida. Eu não sei se devo fazer alguma coisa ou deixar esse feeling morrer e continuar vivendo deixando esse fuck up de ter sumido da vida da menina para trás.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]